sábado, 28 de outubro de 2017

Thor Ragnarok

  Olá, pessoal! Hoje vou falar um pouco sobre o filme Thor Ragnarok. Ragnarok é o terceiro filme do deus do trovão, passando-se após da Era de Ultron, aproximadamente ao mesmo tempo de Capitão América Guerra Civil. O review, como de costume, é sem spoilers.
  Ragnarok é uma grande jornada por diversos mundos, sempre com a preocupação de unir com as histórias dos outros filmes que compõem o universo cinematográfico Marvel. Um grande destaque do filme é a grande carga de humor do roteiro, seguindo bem a linha dos filmes dos Guardiões da Galáxia. 
  Diante da ameaça de Hela, Thor vê-se obrigado a unir um time para deter a deusa da morte. O time formado por Thor, Loki, Hulk e Valquíria passa por uma longa jornada cheia de ação e boa comédia, tudo para salvar Asgard do iminente Ragnarok, o fim de tudo na mitologia nórdica. Thor Ragnarok segue as premissas dos filmes da Marvel, mas sem a necessidade de expor uma trama muito elaborada. Não é um filme que se explica demais, partindo do pressuposto que já conhecemos os heróis principais. A trama do planeta Sakaar tem sua fonte nos quadrinhos do Planeta Hulk, mas sem grandes detalhes. 
  As cenas de ação são muito bem elaboradas e os efeitos especiais são um show a parte. As demonstrações de poder de todos os personagens são de encher os olhos. Tanto os deuses, como Thor, Loki e Hela, como o próprio Hulk e outros personagens combatentes tem combates muito bem elaborados. O filme não deixa a bola cair quando o assunto é ação. Visualmente, Thor Ragnarok é um filme bem colorido. Tanto as cenas de Asgard como as do planeta Sakaar são bastante coloridas, especialmente nos momentos com as naves espaciais. A trilha sonora tem como destaque a icônica Immigrant Song, do Led Zeppelin, além de músicas que lembram bastante os filmes dos anos 80.
  E aí? O que acharam do Thor Ragnarok? Comentem aqui embaixo. E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês! 

                                                Não vai ser fácil para o deus do trovão! 



sábado, 7 de outubro de 2017

Kingsman - O Círculo Dourado

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre O Círculo Dourado, continuação do filme de ação/comédia e espionagem Kingsman - Serviço Secreto, lançado em 2014. A postagem será um review "spoiler free", como de costume. 
  O Círculo Dourado começa mostrando um pouco do cotidiano de Eggbert (Taron Egerton), agora chamado de Galahad, sendo um agente a serviço da Kingsman, um ano após os eventos do primeiro filme. Durante uma cena de perseguição e combate de tirar o fôlego, Eggbert consegue despistar os seus inimigos, mas as principais instalações da Kingsman são destruídas por uma organização misteriosa. Cabe a Eggbert e a Merlin (Mark Strong) encontrarem um meio de reverter a situação e encontrarem os verdadeiros vilões.
  Após encontrarem pistas, os agentes vão para o Kentucky, onde encontram os Statesman, seus "primos" norte americanos. Com o maior jeito de cowboys, os Statesman são responsáveis pela segurança dos Estados Unidos, trabalhando sob o disfarce de uma distribuidora de bebidas. Juntas, as duas organizações devem deter o Círculo Dourado, organização responsável pela maior distribuição de drogas a nível global. 
  Com boas cenas de ação e boas tiradas de humor, O Círculo Dourado é uma continuação competente. Muitas referências ao primeiro filme, que se encaixam bem na nova história (e com alguns flashbacks, mas nada longo demais). O filme tem um bom elenco, e destaco a participação mais do que especial do Sir Elton John, que além de cantar e tocar, atua e faz cenas de ação muito divertidas. O Círculo Dourado é uma boa diversão cinematográfica. Vale a pena conferir.
  Por hoje é só? E aí? Assistiram Kingsman - O Círculo Dourado? Curtiram o filme? Comentem aqui no blog. E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 


Kingsman e Statesman unem-se para muita ação! 


Sigam as redes sociais! 




domingo, 3 de setembro de 2017

Kamen Rider Build, o que eu vi.

  Olá, pessoal. Neste fim de semana tivemos o lançamento de mais uma série tokusatsu: Kamen Rider Build, o mais novo herói da franquia Kamen Rider. Substituindo Ex-Aid nas manhãs de domingo, Build é a série de número 28 de toda a franquia Kamen Rider.
  Na trama de Build, uma expedição para Marte encontrou um artefato chamado Caixa de Pandora. Trazido para a Terra, o artefato despertou a agressividade das pessoas, transformando-as em monstros chamados Smash e criou uma muralha que dividiu o Japão em 3 partes, chamada de Skywall. 10 anos se passaram, e as 3 partes do Japão tornaram-se nações autônomas. O protagonista Kiryu Sento é um físico altamente inteligente, mas sem qualquer lembrança do seu passado. Ele inventou o Build System, além de todos os apetrechos que o ajudam em sua missão de salvar a humanidade dos Smash e recuperar a sua memória. Contratado pela nação de Touto para tentar desvendar o mistério de Pandora, Sento utiliza seus experimentos na luta pela justiça. Além de Sento, temos o ex-lutador profissional Ryuga Banjo, atualmente fugitivo de uma misteriosa organização. Acusado injustamente de assassinato, Ryuga tem que provar a sua inocência e também descobrir mais sobre os experimentos de que foi vítima. Na outra margem da trama, temos o misterioso Rider com "cara de morcego" chamado Night Rogue, que aparece nos flashes de memória de Sento, e está conduzindo experimentos em diversos reféns. 
  Kamen Rider Build mostra uma trama intrigante desde o primeiro episódio, além de muitas cenas de ação. Destaco também os efeitos de transformação, muito bem elaborados. Build tem uma mistura de ação, suspense e comédia muito bem dosados. As diversas formas riders já apresentadas tem um visual marcante, e acredito que trarão muitos produtos licenciados para a Bandai. No geral, tive uma ótima impressão de Kamen Rider Build. Espero que o ritmo da série não caia. 
  E aí? Já assistiram ao Kamen Rider Build? O que acharam? Comentem aqui no blog! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

Kamem Rider Build, o mais novo herói das manhãs de domingo!  


Sigam as redes sociais! 



segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Bingo, o rei das manhãs.

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre o cinema nacional, com o filme Bingo, o rei das manhãs. Dirigido por Daniel Rezende, Bingo é uma história inspirada na vida de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do clássico Palhaço Bozo, ícone televisivo dos anos 80. 
  Na trama, Augusto Mendes é um ator de pornochanchadas que sonha em ter um grande papel na televisão. Mas, o seu sobrenome artístico e a influência de sua família não o ajudam muito. Depois de tentar vários testes para novelas em uma grande emissora, e apenas conseguir papéis pequenos, Augusto decide ir para uma emissora menor. Ao chegar para mais uma audição, depara-se com uma fila de palhaços em teste para um programa infantil. Conseguindo o papel de uma forma irreverente, Augusto torna-se o Palhaço Bingo (mesmo todo mundo sabendo que é Bozo). Então, depois de trancos e barrancos, Bingo passa a ser um grande sucesso na TV brasileira.
  Essencialmente, Bingo é um drama, mesmo tendo muitos elementos marcantes de comédia. O filme é uma verdadeira ode aos anos 80, com seu estilo, música e programas de TV que marcaram época. Quem viveu sua infância e adolescência nesse período vai voltar a uma época gostosa da vida. Os mais jovens podem ter a chance de conhecer como era a vida sem internet e celular.
  Bingo é uma verdadeira montanha russa em forma de filme. Parte de momentos bem divertidos, onde eu ri bastante, até situações dramáticas pesadas. A fama do palhaço é mostrada tanto positivamente como negativamente. Apesar do filme mudar nomes e certas situações, muito pela questão dos direitos autorais, é muito fácil saber as referências a pessoas e instituições da época. Não entrarei em detalhes da trama, para não estragar a experiência audiovisual do leitor. Mas destaco a atuação de Vladimir Brichta como o protagonista Augusto, Leandra Leal excelente como a diretora Lúcia e do ator Augusto Madeira, que interpreta Vasconcelos, câmera do programa e grande parceiro do protagonista. O filme também tem a atuação do saudoso Domingos Montagner, que eu tenho certeza de que vai emocionar muita gente! 
  Bem, por hoje é só. Assistiram ao filme Bingo? Curtiram tanto quanto eu? Comentem aqui embaixo! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

Bingo atendendo as ligações da criançada.


Sigam as redes sociais!