domingo, 3 de setembro de 2017

Kamen Rider Build, o que eu vi.

  Olá, pessoal. Neste fim de semana tivemos o lançamento de mais uma série tokusatsu: Kamen Rider Build, o mais novo herói da franquia Kamen Rider. Substituindo Ex-Aid nas manhãs de domingo, Build é a série de número 28 de toda a franquia Kamen Rider.
  Na trama de Build, uma expedição para Marte encontrou um artefato chamado Caixa de Pandora. Trazido para a Terra, o artefato despertou a agressividade das pessoas, transformando-as em monstros chamados Smash e criou uma muralha que dividiu o Japão em 3 partes, chamada de Skywall. 10 anos se passaram, e as 3 partes do Japão tornaram-se nações autônomas. O protagonista Kiryu Sento é um físico altamente inteligente, mas sem qualquer lembrança do seu passado. Ele inventou o Build System, além de todos os apetrechos que o ajudam em sua missão de salvar a humanidade dos Smash e recuperar a sua memória. Contratado pela nação de Touto para tentar desvendar o mistério de Pandora, Sento utiliza seus experimentos na luta pela justiça. Além de Sento, temos o ex-lutador profissional Ryuga Banjo, atualmente fugitivo de uma misteriosa organização. Acusado injustamente de assassinato, Ryuga tem que provar a sua inocência e também descobrir mais sobre os experimentos de que foi vítima. Na outra margem da trama, temos o misterioso Rider com "cara de morcego" chamado Night Rogue, que aparece nos flashes de memória de Sento, e está conduzindo experimentos em diversos reféns. 
  Kamen Rider Build mostra uma trama intrigante desde o primeiro episódio, além de muitas cenas de ação. Destaco também os efeitos de transformação, muito bem elaborados. Build tem uma mistura de ação, suspense e comédia muito bem dosados. As diversas formas riders já apresentadas tem um visual marcante, e acredito que trarão muitos produtos licenciados para a Bandai. No geral, tive uma ótima impressão de Kamen Rider Build. Espero que o ritmo da série não caia. 
  E aí? Já assistiram ao Kamen Rider Build? O que acharam? Comentem aqui no blog! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

Kamem Rider Build, o mais novo herói das manhãs de domingo!  


Sigam as redes sociais! 



segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Bingo, o rei das manhãs.

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre o cinema nacional, com o filme Bingo, o rei das manhãs. Dirigido por Daniel Rezende, Bingo é uma história inspirada na vida de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do clássico Palhaço Bozo, ícone televisivo dos anos 80. 
  Na trama, Augusto Mendes é um ator de pornochanchadas que sonha em ter um grande papel na televisão. Mas, o seu sobrenome artístico e a influência de sua família não o ajudam muito. Depois de tentar vários testes para novelas em uma grande emissora, e apenas conseguir papéis pequenos, Augusto decide ir para uma emissora menor. Ao chegar para mais uma audição, depara-se com uma fila de palhaços em teste para um programa infantil. Conseguindo o papel de uma forma irreverente, Augusto torna-se o Palhaço Bingo (mesmo todo mundo sabendo que é Bozo). Então, depois de trancos e barrancos, Bingo passa a ser um grande sucesso na TV brasileira.
  Essencialmente, Bingo é um drama, mesmo tendo muitos elementos marcantes de comédia. O filme é uma verdadeira ode aos anos 80, com seu estilo, música e programas de TV que marcaram época. Quem viveu sua infância e adolescência nesse período vai voltar a uma época gostosa da vida. Os mais jovens podem ter a chance de conhecer como era a vida sem internet e celular.
  Bingo é uma verdadeira montanha russa em forma de filme. Parte de momentos bem divertidos, onde eu ri bastante, até situações dramáticas pesadas. A fama do palhaço é mostrada tanto positivamente como negativamente. Apesar do filme mudar nomes e certas situações, muito pela questão dos direitos autorais, é muito fácil saber as referências a pessoas e instituições da época. Não entrarei em detalhes da trama, para não estragar a experiência audiovisual do leitor. Mas destaco a atuação de Vladimir Brichta como o protagonista Augusto, Leandra Leal excelente como a diretora Lúcia e do ator Augusto Madeira, que interpreta Vasconcelos, câmera do programa e grande parceiro do protagonista. O filme também tem a atuação do saudoso Domingos Montagner, que eu tenho certeza de que vai emocionar muita gente! 
  Bem, por hoje é só. Assistiram ao filme Bingo? Curtiram tanto quanto eu? Comentem aqui embaixo! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

Bingo atendendo as ligações da criançada.


Sigam as redes sociais!



sábado, 26 de agosto de 2017

Chewie Recomenda: Atypical

  Olá, pessoal. Hoje vou falar sobre uma nova série da Netflix: Atypical. A série conta a história do jovem Sam Gardner, que possui transtorno do espectro autista. Em seus 18 anos, Sam resolve namorar e descobrir novas experiências pertinentes a sua idade.
  Atypical é um misto de comédia e drama, que trata sobre o autismo de uma forma não depreciativa. O protagonista é tratado da melhor forma possível, sem estereótipos negativos. O preconceito é abordado de uma forma mais leve, sempre sendo contextualizado de acordo com os personagens. É muito interessante assistir a perspectiva do próprio Sam. Seus sentimentos, alegrias e angústias. Destaco os efeitos de imagem e som utilizados para representar os efeitos do autismo.
  Além do Sam, temos a história da própria família Gardner e das pessoas próximas, cada uma com suas peculiaridades. O mote "ninguém é normal" permeia a série, considerando as atitudes de cada personagem. Destaco os personagens Zahid, colega de trabalho do Sam, por seu humor sarcástico e a Julia, terapeuta do Sam, que ajuda o público a entender muitos aspectos do autismo.
  No geral, Atypical é uma série cativante. Consegue entregar uma ótima história em oito episódios, com uma narrativa bem especial. Vale a pena assistir. 
  E aí? Assistiram Atypical? O que acharam da série? Comentem aqui embaixo! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

               Atypical conta uma história sobre o autismo pelo ponto de vista do Sam Gardner.


Sigam as redes sociais! 


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Então tá. Vamos falar de Game of Thrones.

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre Game of Thrones. Mas calma. Não vou falar da série em si, nem de conteúdo dos episódios vazados, muito menos de spoilers dos roteiros. O tema hoje é sobre tudo o que orbita pelo sucesso da série. 
  Game of Thrones é um sucesso gigante. Isso é fato. Audiência gigante. E na internet, torna-se o principal assunto das redes sociais. Todas elas. O tempo todo. Isso é muito bom para os fãs, e para todos os envolvidos na produção. E traz o seus problemas também. E não são poucos.
  A principal polêmica envolvendo a série é a dos episódios vazados. A HBO foi hackeada, alguns países liberaram os episódios antes da hora, e o inferno dos spoilers começou. Muita gente assistiu antes da hora, e começou a soltar informações a torto e a direito nas redes sociais. Não importa qual. Não dava para escapar. Game of Thrones meio que virou um Big Brother antecipado. Tudo graças as pessoas que não pensam nos outros, e estragam a experiência audiovisual de quem está ao seu redor.  
  Além de tudo isso, existem diversas pessoas que alimentam a cultura da especulação na internet. Canais que ficam conjecturando sobre o futuro da série, e lançando ideias que muitas vezes não condizem com a realidade. Tudo bem. Assiste quem quer. Vivemos em um mundo livre. Mas tem hora que é difícil aguentar. Enfim. Game of Thrones é uma ótima série. Acompanho desde a primeira temporada, e gosto da fantasia, da trama bem elaborada e do estilo. Comecei a ler os livros, juro que vou passar do segundo! Um dia! 
  E vocês? Estão acompanhando Game of Thrones? Não estão soltando spoilers indevidos, não é? Espero que estejam curtindo. E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

                                                    Pelo menos, os memes são divertidos! 

Sigam as redes sociais!