domingo, 9 de julho de 2017

Homem Aranha - de volta ao lar

  Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre o mais novo filme do cabeça-de-teia! Homem Aranha de volta ao lar é o primeiro filme do Homem Aranha dentro do MCU. Como de costume, esta postagem é "spoiler free", então podem ler sem medo. 
  O filme conta mais da história do Peter Parker que encontramos no filme Guerra Civil. Seu cotidiano, seus amigos e dilemas. Como o amigo da vizinhança vive após as grandes batalhas de seu filme anterior. A narrativa começa com as consequências da invasão em Nova York (Vingadores, 2012), onde conhecemos Adrian Toomes (Michael Keaton) e outros bandidos que roubam restos de armas e equipamentos alienígenas para utilizar em diversos crimes. Após um salto temporal, acompanhamos Peter e a sua vida colegial. A clássica dualidade entre sua vida pessoal e o Homem Aranha é vista de um jeito mais ágil do que estamos habituados. 
  A relação de Peter Parker e Tony Stark foi algo que despertou um certo receio entre os fãs. Muitos (inclusive eu) tiveram medo do filme ser uma "expansão" dos Vingadores, onde tudo se encaixaria sem o Aranha ter a sua devida importância. Mas não é o que acontece. Tony Stark e Happy Hogan aparecem no filme, mas sem tirar o protagonismo do personagem título. 
  As cenas de ação são ágeis e o humor característico do personagem também marca toda a narrativa do filme. A relação do Peter com seu melhor amigo Ned é impagável. Os dois são muito divertidos, ainda sim sendo bem competentes trabalhando juntos. O uniforme criado por Tony Stark (referência gritante ao arco Guerra Civil das HQs) é praticamente um personagem que trabalha junto com o Peter. Sua inteligência artificial e capacidades tecnológicas são marcantes durante quase toda a ação do filme. O vilão da vez é o Adrian Toomes, conhecido como Abutre. O vilão voador é clássico nas HQs, mesmo sem ter tanta profundidade no material original. No filme, Michael Keaton consegue dar uma carga dramática ao personagem com competência. E durante a ação, os efeitos são de grande ajuda. 
  Também destaco a atuação da Laura Harrier, que interpreta Liz Allen, interesse romântico do Peter Parker. Apesar dos dramas adolescentes, Homem Aranha de volta ao lar não se deixa levar por tais dramas. Tem clima de romance, sem ser clichê. Tem cenas tristes, sem choradeira. Tudo pensado para a agilidade da narrativa do filme. Como sempre costumo dizer por aqui, fã da Marvel fica no cinema até o fim dos créditos. Tem cenas boas no fim de tudo! 
  No geral, Homem Aranha de volta ao lar é um bom filme. Divertido, com um ótimo timing, efeitos especiais interessantes e uma história legal de se ver na tela. Vale a pena. E vocês? O que acharam do Homem Aranha de volta ao lar? O Tom Holland foi um bom Peter Parker? Comentem aqui embaixo! E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês! 

                                   O Homem Aranha partindo para a ação em seu novo filme! 


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Chewie Recomenda - Brooklyn 9-9

  Olá, pessoal. Hoje vou falar sobre uma série que comecei a assistir recentemente, apesar de já estar nas vésperas de sua quinta temporada: Brooklyn 9-9. A série conta a rotina agitada dos policiais do distrito Brooklyn 9-9, com um humor rápido e nonsense.
  Encabeçando o elenco, temos o policial Jake Peralta (Andy Semberg). Um policial jovem, que não tem o mínimo respeito pela autoridade e vive citando filmes policiais dos anos 70 e 80. A vida "fácil" do Detetive Peralta tem um grande choque com a chegada do Capitão Ray Holt (Andre Braugher), um oficial da velha guarda, que vem para pôr os seus subordinados na linha.
  Juntamente com o Detetive Peralta, temos a Detetive Amy Santiago (Melissa Fumero), uma jovem policial que tenta ser exemplar o tempo inteiro, apesar de ser zoada por todos os seus colegas de trabalho. O Detetive Charles Boyle (Joe Lo Truglio), considerado o melhor amigo de Peralta, é um cara bem dramático. O Sargento Terry Jeffords (Terry Crews), que pretende um dia voltar para as ruas, e a Detetive Rosa Diaz (Stephanie Beatriz), talvez a pessoa mais mal humorada da TV aberta americana. Para fechar o elenco principal, temos a secretária Gina Linneti (Chelsea Peretti), que apesar de não ser policial, se mete em diversas confusões em nome do time.
  Essa equipe é sinônimo de encrenca e muita risada. Cada capítulo tem piadas muito precisas, com um timing ótimo. Sem deixar de lado o desenvolvimento de cada personagem. Dentre as piadas, os oficiais desse distrito tem suas histórias de vida, e ambições. Aos poucos, pode-se observar o crescimento de cada personagem. Brooklyn 9-9 brinca constantemente com jargões policiais, processos investigativos e clichês de séries mais antigas. Atualmente está indo para a sua quinta temporada, tendo as três primeiras disponíveis no catálogo da Netflix.
  E aí? Assistem Brooklyn 9-9? Qual o seu personagem favorito? Comenta aqui embaixo! E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês! 


Esses policiais combatem o crime, e vão te fazer rir muito! 







terça-feira, 27 de junho de 2017

Harry Potter - 20 anos!

  Olá, pessoal! Recentemente, a série literária Harry Potter comemorou seu 20° ano desde o lançamento de Harry Potter e a Pedra Filosofal, o primeiro livro da saga. Os fãs do mundo inteiro comemoram o feito, e claro que eu não poderia deixar de falar um pouco da importância da obra.
  Com mais de 1 bilhão de volumes vendidos em mais de 60 idiomas traduzidos, Harry Potter tornou-se um fenômeno entre os jovens por praticamente todo o planeta. JK Rowling, a autora do livro, realizou o que muitos escritores um dia sonhariam realizar, espalhando sua obra por várias partes. Mas não foi um começo fácil. Rowling passou por depressão e sérios problemas financeiros. Mas, como dizem, é das grandes dificuldades que surgem as grandes ideias.
  Medir a importância da história de Harry Potter no mundo literário é uma tarefa difícil. O que posso dizer é que muitos jovens adquiriram o interesse pela leitura através da obra Harry Potter. Para muitos (inclusive este que vos escreve), Harry Potter foi uma porta de entrada para as séries literárias. A cada livro, o personagem vai crescendo e aprendendo mais sobre o mundo mágico que o cerca, e através do seu olhar é que podemos imaginar como seria andar pelo Beco Diagonal, Hogwarts e outros cenários clássicos do mundo mágico. 
  Apesar dos 7 volumes terminarem a história de Harry Potter, JK Rowling conseguiu formas de expandir o mundo mágico, tanto nos livros, como no cinema e na internet. O site Potter More é uma viagem pelo mundo mágico diante do seu browser, cheia de conteúdos exclusivos. Os filmes contando a história do bruxo Newt Scamander mostram um pouco do passado do mundo mágico, e prometem mostrar versões mais jovens de personagens clássicos, como Alvo Dumbledore. E nos livros (e teatro), a Criança Amaldiçoada conta a história dos descendentes de Harry, Rony e Hermione, com novos olhares sobre Hogwarts. 
  Harry Potter merece um caloroso parabéns pelos vinte anos de sua obra (e talvez até uns pontinhos para a Grifinória). E vocês? Curtem Harry Potter tanto quanto eu? Quais são os seus livros favoritos? E personagens? Comentem aqui embaixo! E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês. E até a próxima! 

Há 20 anos, Harry Potter surge no mundo literário.





domingo, 11 de junho de 2017

Mulher Maravilha

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre o mais recente filme de herói (heroína) lançado pela Warner Bros: Mulher Maravilha. Desde a criação da personagem, há 75 anos, nunca tivemos uma versão cinematográfica de sua história. 
  O filme Mulher Maravilha começa com uma deixa de seu antecessor Batman vs Superman (2016), onde Diana recebe de Bruce Wayne uma foto com seus companheiros de batalha durante a Primeira Guerra Mundial. A partir da foto, toda a narrativa da história começa. De início, podemos conhecer a ilha de Themyscira, lar das amazonas desde a mitologia clássica. Criadas do barro por Zeus, as amazonas tem o dever de proteger a humanidade e impedir o surgimento de novas ameaças. Enquanto a pequena Diana percorre a ilha esperando ser treinada por Antíope, podemos vislumbrar o modo de vida e o letal estilo de combate das amazonas. Da infância até a idade adulta, Diana nos mostra como é ser uma amazona, e a responsabilidade de sua função.
  A história tem a sua primeira guinada com a aparição de Steve Trevor, militar que tem seu avião abatido pelo exército inimigo e acaba caindo em Themyscira, sendo provavelmente o primeiro homem a pisar na ilha. Junto com ele, Diana pôde perceber o potencial perigo de uma guerra, o que a faz decidir abandonar o seu lar para lutar contra o causador, o pai de todas as guerras: o deus Ares. Juntamente com Steve Trevor, Diana viaja para o mundo civilizado, durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). 
  Steve Trevor tem como missão impedir que o exército alemão crie novas armas químicas de alto potencial destrutivo. Como espião, ele aprendeu segredos que se caírem em mãos erradas, pode causar uma grande catástrofe. Com a ajuda de Diana, ele tem que impedir que a guerra tome proporções muito maiores. 
  A Mulher Maravilha interpretada por Gal Gadot demonstra muita força e luta com um estilo de combate arrojado. A cena de luta contra o Doomsday em Batman vs Superman funciona meio como uma demonstração de seu poder marcial. Neste filme, ela utiliza suas habilidades com grande capacidade, mesmo ainda sendo uma amazona "incompleta". Contrastando com sua habilidade, vem a sua inocência. Por não conhecer o mundo civilizado, Diana não sabe bem como reagir a diversas situações, algumas sendo até engraçadas, como escolher um vestido de gala. O personagem Steve Trevor (Chris Pine) traz um bom contrapeso a heroína principal, muitas vezes sendo a voz da razão da dupla. Por muitas vezes, Trevor toma a rédea da situação, deixando a Mulher Maravilha em segundo plano.
  No geral, o filme da Mulher Maravilha é uma boa história de origem. Tem um tom bem diferente de seus antecessores, o que agradou bastante tanto o público como a crítica especializada. É um filme marcante, e que traz uma certa expectativa para o próximo lançamento do estúdio: Liga da Justiça (novembro de 2017).  
  E aí? O que acharam do filme da Mulher Maravilha? Gostaram? Comentem aqui no blog. E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês. 

Gal Gadot como Diana, a Princesa das Amazonas.



  
   

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Young Sheldon

  Olá, pessoal. Como sabemos, todos os heróis tem as suas histórias de origem. E a série Young (Jovem) Sheldon é uma série spin off que trata justamente disso. Sim, teremos uma série que conta a infância do Sheldon Cooper, protagonista do mega hit da Warner Bros: The Big Bang Theory. 
  A série se passará no ano de 1989, na cidade de Galveston, leste do Texas, 18 anos antes da primeira temporada de The Big Bang Theory. Contará a história de Sheldon, que entra no colegial aos 9 anos de idade. Teremos mais detalhes da família Cooper, bem como personagens que nunca apareceram na série principal, como o pai de Sheldon (já falecido) e o seu irmão mais velho. Espero que tenham muitas referências a The Big Bang Theory, e as diversas histórias contadas pelo próprio Sheldon.
  Um destaque importante é a escolha do elenco. O jovem Ian Armitage, intérprete do protagonista, parece ser um ator promissor. Desde cedo mostra parte das manias e excentricidades do Sheldon, que estão bem mais atenuadas na série principal. Outro destaque é a atriz Zoe Perry, já conhecida pela série Scandal. Ela interpreta a Mary Cooper, papel de sua mãe real (Laurie Metcalf) na série The Big Bang Theory.
  Young Sheldon é produzida por Chuck Lorre, Steve Molaro e pelo próprio Jim Parsons, que será o narrador da série, Sheldon Cooper. A série tem um trailer divulgado, e parece ter a pegada de outro sucesso da Warner Bros: The Middle. Young Sheldon está confirmada para o segundo semestre de 2017, sem uma data específica. 

                                                        Trailer da série Young Sheldon


                                              Ian Armitage será o jovem Sheldon Cooper

  E aí? O que esperar da série Young Sheldon? Comentem aqui embaixo. E lembrem-se: Não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês! 



segunda-feira, 15 de maio de 2017

Guardiões da Galáxia - Volume 2

  Olá, pessoal! Hoje vou falar sobre o mais recente filme da Marvel Studios: Guardiões da Galáxia - Volume 2. Continuação direta do primeiro Guardiões da Galáxia (2014), o filme mostra mais uma aventura épica do time mais insano do universo Marvel. 
  No segundo filme, temos os principais personagens já apresentados, e graças a isso é possível se fazer uma abordagem mais profunda na personalidade (e conflitos) de cada um deles. Tanto da equipe do primeiro filme como dos que ingressam no segundo, como Yondu e Nebula. Além deles, temos a entrada da novata Mantis (Pom Klementieff). 
  Na trama, Os Guardiões tem que proteger as baterias de energia no planeta dos Soberanos, uma poderosa raça de pele e cabelos dourados. Mas, tudo acaba dando errado, quando o Rocket resolve "se apropriar" de algumas delas. Fugindo rapidamente pelo universo, os Guardiões ficam com a nave Milano severamente avariada, e aí todo o perigo começa. Não vou falar mais do que isso, para não soltar informações desnecessárias.
  Em geral, o filme é extremamente divertido. Mantém aquela linha de humor do primeiro filme, com piadas vindo praticamente por todos os lados. Mas além das piadas, os personagens recebem mais profundidade em suas relações, como a inusitada dupla Rocket e Yondu e o casal Drax e Mantis, que roubam a cena! As cenas de ação são um show a parte, levando a truculência ao limite.
  Além dos Guardiões, destaco a atuação de Kurt Russell (como o personagem Ego) e a do Sylvester Stallone (como o personagem Stakar), que apesar das poucas aparições, marcou a entrada do Sly no Universo Marvel. E para os fãs da Marvel de longa data, muitos personagens clássicos dos quadrinhos, bem como referências aos outros filmes do estúdio (bem como a outros clássicos, como Star Wars e Flash Gordon). E, para não esquecer: O verdadeiro fã da Marvel NUNCA sai durante os créditos. São muitas cenas. Fiquem até as luzes acenderem!
  E para encerrar minha opinião sobre esse volume 2, a trilha sonora. Grandes clássicos do pop dos anos 70/80 marcam mais uma vez a trilha em momentos chave do filme, desde a abertura até os pós créditos. É isso aí. Gostaram de Guardiões da Galáxia - volume 2? Sugiro que assistam mais de uma vez, e levem um caderninho para as referências. São muitos detalhes. E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja com vocês! 

O novo time dos Guardiões da Galáxia vem com tudo nesse volume 2! 




terça-feira, 2 de maio de 2017

Heróis, elmos e máscaras.

  Olá, pessoal. Hoje vou falar um pouco sobre os mais recentes filmes de super heróis que estão para entrar no cinema (um deles já esteve em cartaz), enfatizando em algo que meio que incomodou/despertou a atenção para escrever: a ausência de máscaras em algumas cenas importantes. Vocês devem pensar "e daí?", mas é algo que de acordo com o contexto dos heróis em questão, é essencial. 
  Vamos ao primeiro exemplo: o filme dos Power Rangers, que estreou há uns 2 meses atrás (se quiser saber um pouco mais sobre o filme, clique aqui). Sem me ater a história do filme, mas sim a proposta inicial da franquia: os personagens não podem, em hipótese alguma revelar os seus rostos, correndo o risco de perder os poderes (o que acontece em várias temporadas). Nos momentos de clímax do filme, os heróis estão com seus uniformes e os rostos expostos. Isso incomoda? A mim, sim. Pelo menos um pouco.


Rangers, não deem tanta bandeira, por favor! 

  Seguindo a lista, que não será longa: Homem Aranha - de volta ao lar. O filme está para ser lançado por aqui no dia 6 de julho. Não me levem a mal, o Homem Aranha é o meu herói favorito, e a atuação de Tom Holland mostrou que promete muito! Mas, em diversos momentos mostrados nos trailers e materiais oficiais, o Aranha está sem máscara. Tudo ok subir nas paredes na frente do melhor amigo, e papear com o Tony Stark em Nova York na luz do dia. Ok. Tem que mostrar o ator, eu sei. O ator é importante. Mas, não podemos esquecer que essencialmente o Homem Aranha sofre diversos riscos devido a sua dupla identidade, é a essência do personagem. Ao meu ver, isso pode afetar um pouco o perfil do Aranha. 

Parker e Stark papeando tranquilamente durante o dia. Se liga, cabeça de teia! 

  E para não parecer que só faço reclamar, dessa vez vou elogiar o material promocional de um filme (até porque ele ainda não foi lançado): Thor Ragnarok. O trailer do terceiro filme do deus do trovão mostra muita ação, rock clássico e empolga. Mas uma coisa que me chamou atenção tanto no Thor como no Loki: elmos. Os deuses asgardianos voltando a ser retratados com elmos, assim como nos mitos nórdicos e nos quadrinhos. 

Em Thor Ragnarok, o deus do trovão usa um elmo mais moderno.

  Já o Loki usa algo mais compacto. 


  Resumo da ópera: eu sei que os filmes precisam mostrar os atores, são grandes produções e custam milhares de dólares. Mas, custa manter um pouco da essência? O herói tem máscara? É só respeitar isso. Eles usam máscaras, elmos, bonés, etc por seus motivos individuais. É só pensar no Rorschach (Watchmen, 2009) ou no Deadpool (2016). Os personagens originalmente tem máscaras, e isso foi respeitado. Houveram cenas sem máscaras? Sim! Mas com contexto para tal.
  Bem, por hoje é só. Compartilhei um pouco do que penso sobre o assunto. Este blog serve essencialmente pra isso. E vocês? O que acham? Tem que ter máscara? Ou não? Comentem aqui! E lembrem-se: não sejam fanboys, só atravessem no sinal vermelho e que a Força esteja sempre com vocês!